Sobre

Muitos dizem que a década de 1980 foi a melhor. Olhando um pouco a história dos anos 80 fica difícil discordar que pelo menos foi uma época muito alegre e carismática, com muitas baladas, músicas, filmes, jogos, brinquedos e roupas extravagantes. Os ecos dos anos 80 são ouvidos até hoje na nossa cultura e na nostalgia de muitos que a viveram.

Ok, as roupas coloridas e os cabelos cheios de gel  – New Wave para ser mais exato – não deixaram tanta saudade assim, mas o cinema, a música e os videogames contribuíram e muito para a globalização da cultura pop. Esse trio, por si só, são responsáveis pela enorme nostalgia dos anos 80. Para quem era jovem na década de 80, o término da ditadura militar no Brasil – que durou de 1964 até 1985 trouxe uma lufada de liberdade, juntamente com o processo de redemocratização do país.

Atari, o videogame ancião (e seus jogos, como o clássico River Raid, Enduro e Pac-Man), Bozo, brinquedos como o Genius e o Cubo Mágico, programas, música, cantores bregas, desenhos e roupas coloridas, doces e guloseimas completam o cenário dos anos 80 junto com tantas outras quinquilharias deliciosas.

Somos fãs desta década incrível e queremos proporcionar à vocês, atavés deste site com informações diversas, de qualidade e pesquisadas com carinho, um mergulho virtual nessa época tão rica que influenciou a nossa cultura e persiste até hoje, para nós, como a melhor década de todos os tempos. Seja bem-vindo novamente aos anos 80!

Logo Anos80.net

A Música nos Anos 80

Os anos 80 foram responsáveis por um borrão entre os limites do pop e do rock. Até um novo gênero foi meio que definido por conta disso, o "pop-rock". Lá de fora vinham sucessos e ritmos inovadores como o new wave, capitaneados por B-52's (ou "bife com chuchu") e Talking Heads, o gótico do The Cure e sua cria – Siouxsie & The Banshees e o rock alternativo e engajado do U2 e The Smiths. O eletrônico completava a criativa misturava, dando sua cara com Depeche Mode e New Order. Claro que o pop não ficou pra trás e nos deu fenômenos eternos, verdadeiros ícones da música como Michael Jackson e Madonna.

E o Brasil não ficou pra trás, bandas como Legião Urbana, Titãs, Barão Vermelho (com Cazuza), Capital Inicial, Ira! e Paralamas do Sucesso mostraram toda a criatividade dos músicos brazucas. Bandas como Duran Duran, The Police, Culture Club e Bon Jovi completavam o cenário musical em paralelo. O grande mérito da música dos anos 80, além da óbvia criatividade, foi sobreviver ao tempo e atravessar gerações. Regravações de músicas e redescoberta de artistas dos anos 80 atualmente são a prova disso.

A Festa Ploc é um movimento nostálgico em prol da música dos anos 80, assim como outras festas pelo país. Bandas atuais tem influência direta do som dos anos 80: Franz Ferdinand, Interpol e Bloc Party sofreram nítidas influências de Talking Heads, Joy Division e The Cure.

O Cinema nos Anos 80

Os filmes "teen" deixaram sua marca na década de 80, rendendo diversos clássicos. O maior deles certamente é “Curtindo a Vida Adoidado” (dir. John Hughes, 1986). No filme, um adolescente mata aula e se envolve em muitas confusões. Mathew Broderick interpreta o personagem principal, Ferrys Bueller. Os Goonies e E.T também são ícones e referência deveras endeusadas até hoje.

Outros seguiram na esteira do sucesso teen, como “A Garota de Rosa-Shocking” (dir. Howard Deutch, 1986) e “Negócio Arriscado” (dir. Paul Brickman, 1983), com Tom Cruise ainda garoto. Alguns anos depois ele se consagraria de vez como um piloto de caça da marinha, o Maverick de “Top Gun – Ases Indomáveis” (dir. Tony Scott, 1986). Com seus óculos escuros e jaqueta de couro, em cima de uma moto Kawasaki Ninja 900, Cruise e Top Gun foram ícones dos anos 80. Não vamos esquecer também da música que embalou o romance do filme, o hit “Take My Breath Away”.

Sequências arrasa-quarteirões de Indiana Jones (“Os Caçadores da Arca Perdida” (1981), “O Templo da Perdição” (1984) e “A Última Cruzada” (1989).), De Volta para o Futuro (entre 1985 e 1990 foram 3 filmes também) e Guerra nas Estrelas (“O Império Contra-Ataca” (1980) e “O Retorno do Jedi” (1983)) lotaram as salas de cinema.

Mas o cinema dos anos 80 não foi feito só de filmes para adolescentes e blockbusters. Filmes considerados "de arte" influenciaram uma geração. Francis Ford Coppola foi responsável por 2 clássicos – “Vidas Sem Rumo” (1982) e “Rumble Fish” (1983). Os filmes abordaram os dramas da adolescência e de quebra lançaram uma nova geração de jovens atores: Tom Cruise, Ralph Macchio, Emílio Estevez, Matt Dillon, Nicholas Cage e Rob Lowe.

Outro clássico atemporal foi “Blade Runner – O Caçador de Andróides” (dir. Ridley Scott, 1982), que mudaria o rumo das ficções científicas nas telonas. Foi o filme que mudou nosso conceito de futuro, passando de algo limpo, altamente avançado e progressivo para um mundo escuro, sombrio e desprovido de humanidade. O diretor Brian de Palma também contribuiu com dois clássicos do cinema contemporâneo: “Scarface” (1983) e “Os Intocáveis” (1989).

Os mangás, linguagem japonesa de quadrinhos, começaria a conquistar o mundo com a animação punk-cibernética “Akira” (dir. Katsuhiro Otomo, 1988). David Lynch virou mainstream com seu“Veludo Azul” (1986) e Spike Lee com “Faça a Coisa Certa” (1989). O cinema alternativo e independente também foi introduzido ao mundo através do diretor Jim Jarmusch, com “Stranger Than Paradise" (1982) e “Down By Law” (1983).

No Brasil, o cinema tratou de aproveitar a onda do novo pop-rock brasileiro. Filmes como “Menino do Rio” (dir. Antônio Calmon, 1981) e “Rock Estrela” (dir. Lael Rodrigues, 1986) se escoraram no estilo de vida da juventude carioca, utilizando sucessos da nova música jovem no país.

Mas aos poucos a tecnologia digital começou a levar o entretenimento para dentro dos lares, com videocassetes, videogames e posteriormente  os CDs e PCs, iniciando uma nova tendência da cultura adolescente.

Os Videogames nos Anos 80

Atari é um dos sinônimos de anos 80. O videogame chegou ao Brasil em 1983 (oficialmente, pois os abastados que podiam tinham Ataris americanos) após 6 anos do lançamento nos EUA. Alguns jogos viraram clássicos eternos, como Space Invaders, Defender, Pac Man, Pitfall, Asteroids e tantos outros.

Como menção honrosa – e bota honrosa nisso – temos o NES, ou Nintendo Entertainment System (vulgo Nintendinho). Responsável pela ressurreição da indústria dos games no mundo, o videogame da Nintendo é marco importante na história dos videogames. Foi lançado no Japão e EUA na década de 80, representando mais uma inovação tecnológica dessa era, com jogos que estão entre os melhores de todos os tempos. Mario, Castlevania, Mega Man, Ninja Gaiden e Metroid que o digam.

Contratempos…

Mas nem tudo foi diversão nos prolíficos anos 80. O avanço da Aids foi um dos aspectos mais negativos, pois além da doença em si, trouxe à tona preconceitos e intolerâncias potencializados. A Guerra Fria ainda fazia parte da política mundial, deixando todos em constante paranóia com o perigo de uma guerra nuclear. Para exarcebar ainda mais o panorama de guerra fria, os governos de Ronald Reagan nos EUA e de Margaret Thatcher no Reino Unido contribuíram para a ascensão cada vez maior do capitalismo através de uma mentalidade ultraliberal na economia. A juventude passou a ser uma moeda valiosa e todos saíram em busca dela – políticos e empresas. Foi criado o rótulo de "geração saúde", com muitos adolescentes aderindo aos princípios e muitos adultos tentando se comportar como jovens.

De volta aos anos 80

Alguns dizem que os anos 80, na verdade, nunca acabaram. Além de sua óbvia influência e importância para a cultura globalizada atual, ainda há toda uma produção voltada para reviver o clima dos anos 80.Vivemos em uma constante revolução dos primórdios. Da permanência, relançamento e até retorno de grupos musicais (The Cure, The Police, Capital Inicial, Ira!) ao remake de filmes e séries televisivas (Miami Vice, Transformers), a nostalgia pela década de 80 continua e atinge os mais jovens que sequer tinham nascido.

Festas como a Ploc 80s recriam o clima e animação dos anos 80, com direito às músicas da época, clipes da MTV nos telões e até Atari para os mais saudosistas. O curioso é que o filme "De Volta para o Futuro", um dos maiores clássicos dos anos 80, foi visionário. Em uma cena de “De Volta Para o Futuro 2” (dir. Robert Zemeckis, 1989), o personagem interpretado por Michael J. Fox viaja no tempo de 1985 para 2015. Ele acaba entrando em um bar temático sobre os anos 80, que faz sucesso com objetos daquela década e toca hits de Michael Jackson. Bola de cristal!

...ou deixe um recado por aqui :)
  1. ge

    7 / 18 / 2016 12:09

    oi boa tarde ese grupo ta no whatsapp ou n ou alguen ten grupo de anos 80 no whatsapp me ad ai quen tiver ou se ese grupo ta no whatsapp ten como 61992567869

    Responder

  2. Augusto

    9 / 8 / 2016 21:34

    Oiii, gostaria de saber quem publicou a matéria do Chacrinha! Pois queria colocar no meu Artigo de TCC…. Obrigado!

    Responder

  3. 7 / 6 / 2017 0:21

    Se esta rádio for do RIO DE JANEIRO,vou divulgar bastante. Aguardo resposta

    Responder

Apelido:

E-mail:

Website:

Seu comentário:

Publicar Comentário